Header Ads

Canibais

Eli Roth (Albergue) é um diretor raso. Isso fica óbvio na sua filmografia. Um dos seus maiores erros, que se repete irritantemente em Canibais, é focar em chocar o espectador e não ir pelo caminho que a escola do horror ensina: amedrontar o espectador. Canibais é uma bobagem que tardiamente chegou as minhas mãos.

Mas por que assistir se é óbvio que será um lixo? Roth se inspirou no clássico e horrendo Holocausto Canibal, que mostra um grupo de documentaristas que foram devorados na Amazônia. Fiquei curioso para ver o que faria. Em Canibais é quase o mesmo. Uma mulecada gringa, metida a engada política, vai à Amazônia lutar pelos direitos do povo local. Claro que dá uma zebra e eles acabam capturados por uma tribo canibal. Alguns morrem, a virgem se salva e o mais babaca funciona com uma espécie de vilão.

Canibais é simplista e pedante. Não usa a oportunidade para criticar com impacto o pseudo ativismo que temos pelo mundo. Se você defende os jacarés e crocodilos para que eles não sejam mortos e virem bolsa, isso não quer dizer que se você mergulhar no rio repleto desses repteis, eles vão te respeitar e não vão devorá-lo. O mesmo pode ser dito por tribos primitivas na Amazônia. Para uma coisa Canibais serviu. Daqui pra frente não vejo mais nada feita por Eli Roth.



Canibais (2013)
Direção: Eli Roth
http://www.imdb.com/title/tt2403021/

  Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
-
Tecnologia do Blogger.