Header Ads

Imperium

Antes dos ataques de 11 de setembro de 2001 o medo das forças de segurança dos EUA não era restrito ao radicalistas islâmicos, pois até a fatídica data em que as torres do World Trade Center vieram ao chão o maior atentado terrorista na América tinha sido realizado por um americano, Timothy McVeigh, o homem da bomba do Atentado de Oklahoma City, em 1995. Ele foi um ex-soldado da Guerra do Golfo e que com algumas ideias um tanto tortas e simpatizante do movimento neonazista esfregou na cara das autoridades americanas que o perigo também morava dentro de casa. Imperium conta a história de um agente do FBI infiltrado dentro do movimento de soberania branca nos EUA e descobre que eles desejam usar o caos social para ratificar seus conceitos. Nem que seja necessário usar uma outra bomba. 

A trama é até bem envolvente e o talentoso Daniel Radcliffe nos convence a cada filme, deixando para trás sua imagem de garoto Potter, e se mostra um interessante neonazista. Dirigido pelo estreante Daniel Ragussis o longa segue como um bom representante do gênero policial e se destaca por discutir um lado triste que insiste em continuar em nossa sociedade: a discriminação racial. O bom roteiro vai muito além dos patetas neonazistas skinheads que distribuem pancadaria, mas que soam como cães raivosos que muito latem e pouco mordem. O neonazista infiltrado Nate (Daniel Radcliffe) aprofunda-se no movimento e nos mostra que os pilares do racismo e do extremismo de direita americanos podem residir na casa ao lado, do seu vizinho. 

Imperium caminha de forma regular em busca das três estrelas com uma boa discussão sobre terrorismo e extremismo político, mas escorrega em suavizar em demasia o que de fato é ser um representante desse movimento. Nate deveria ter sido mais testado como neonazista e isso trazer consequências e discussões morais mais complexas ao agente do FBI e o espectador. A conclusão "chapa branca" tenta mostrar uma perspectiva mais positivista sobre o tema, mas todos sabemos que essa questão não tem apenas as cores brancas ou negras, e sim uma névoa densa, horrível e cinza. Não é à toa que o filme emblemático sobre esse tema, A Outra História Americana, seja em preto e branco. O vermelho das bandeiras nazistas e dos confederados deviam ser aqui, muito mais cinzas.

Hi Harry... Potter.



Imperium (2016)
Direção: Daniel Ragussis
http://www.imdb.com/title/tt4781612/

  Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
-

Tecnologia do Blogger.