Header Ads

Raça


Jesse Owens não se chamava Jesse, mas James. Eu não sabia disso. E ao longo do belíssimo Raça o espectador vai dizer essa frase repetidas vezes: eu não sabia isso. Ou seja, precisamos saber mais sobre quem foi Jesse Owens.

O negro voador que calou Hitler no estádio olímpico de Berlin, na olimpíada de 1936, fez muito mais do que imaginamos. Delicioso é a sensibilidade do longa em confrontar o racismo americano e a política de segregação nazista. Quem era pior? Ambos eram horríveis. O longa finaliza de forma arrebatadora na tocante e triste cena final. Ele ganhou tudo, mas ainda assim continuou sendo apenas mais um preto. (saiba aqui por que se deve optar por preto e deixar de lado o tal negro.)

Mas não é só Owens que brilha em sua cinebiografia. O ótimo roteiro reserva um espaço para homenagear uma das cineastas mas corajosas e cuja obra é fundamental para uma das piores páginas da história humana, o nazismo de Hitler. A história de Owens se esbarra na produção de Olympia, filme sobre a Olimpíada de 1936 dirigido por Helene "Leni" Riefnstahl. Alguns acham que ela era só mais uma nazista, muito por conta do impactante Triunfo da Vontade. Outros enxergam nela uma mulher corajosa que registrou o nazismo e muito do que sabemos sobre o regime, que não foi queimado antes da derrota, pode ser visto nas obras dela. Uma belíssima homenagem que pode ter enfurecido alguns judeus importantes, o que explicaria o pouco sucesso de um filme tão bem feito e importante como esse.

Raça vai muito além de Jesse Owens e o usa para refletir uma época de intolerância em que, tristemente, parece que ainda não conseguimos transpô-la. Owens declarou que o que mais o magoou não foram as atitudes de Hitler, mas o fato do presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt não ter lhe mandado sequer um telegrama felicitando-o por suas conquistas na olimpíada. Owens teria dito mais tarde: "Não foi Hitler que me ignorou, quem o fez foi Franklin Delano Roosevelt. O presidente nem sequer me mandou um telegrama."

Não adianta correr, é preciso enfrentar nossos preconceitos e assim como o alemão Luz Long, reconhecer algo maior e dar o apoio necessário para que o extraordinário aconteça. Para que um fenômeno como Owens pudesse brilhar, muitas pessoas o ajudaram para que ele chegasse lá. A questão é quantos iguais não chegaram pois não tiveram apoio algum?



Raça (2016)
Direção: Stephen Hopkins
http://www.imdb.com/title/tt3499096/

  Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
-
Tecnologia do Blogger.