Header Ads

Voando Alto

Eddie Edwards tinha cara de idiota. Jeito de idiota. Mesmo criança, tinha um quê de Forrest Gump, mas com perdão do trocadilho, ele correu muito, mas muito mesmo, atrás do que sempre quis: disputar uma Olimpíada. Voando Alto não só nos apresenta uma extraordinária história real de como o esporte deve ser visto pelo mundo, ainda vai encher seus olhos de lágrimas e alegria, mas sobretudo deixará claro que o ser humano é maravilhoso. Você só viu nos jornais um pedaço meio estragado desse bicho chamado homem. Corta essa parte que ainda dá para aproveitar.

Acompanhamos o pequeno Eddie "Forrest Gump" que está à procura da modalidade esportiva que o levará para as Olimpíadas. Assim, é difícil ver um atleta surgir dali, daquele menino de joelhos tortos (sic, sic, Garrincha era o gênio das pernas tortas, só pra lembrar). Eddie cresce e fica ainda mais difícil ver um atleta olímpico surgindo por trás daqueles óculos fundo de garrafa. Todos dizem não a ele. Ele nunca será um atleta olímpico. Quando tudo está preste a ruir, um detalhe: há também os Jogos Olímpicos de Inverno. Essa é a chance e ele decide aprender a esquiar.

A vontade e perseverança de Eddie, na ótima interpretação de Taron Everton (Kingsman: Serviço Secreto) contagia o espectador do mesmo modo que ele contagiou o planeta nos Jogos Olímpicos de Inverno, em 1988, em Calgary, no Canadá. Uma história excelente que se apoia em um roteiro simples e delicado, que enaltece o mais importante nisso tudo: o esporte foi feito para superarmos a nós mesmos. Seja a maratonista suíça, Gabriele Andersen, que trôpega busca energia, sabe-se lá de onde, para concluir a maratona em 1984, mesmo sabendo que é a última. Ou o nadador solitário de Guiné Equatorial, Eric Moussambani, que nadou para honrar o país e foi aplaudido de pé pelos espectadores. O esporte é isso.

Eddie Edwards - O verdadeiro
Eddie Edwards - o do filme

Voando Alto é tão lindo que, em sua humilde narrativa ainda reserva um pequeno trecho para lembrar dos jamaicanos malucos de  bobsleigh que também fizeram fama na mesma olimpíada, e que todos viram em Jamaica Abaixo de Zero. Outro exemplo que prova que a linha para atingir o impossível está logo ali. É muita coisa em um filme tão curto e tão magnífico. Eddie Edwards merece ser conhecido e, em tempos de escândalos de doping, mostra o que realmente o Barão de Coubertin quis quando organizou os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna.

Citação Barão de Coubertin, que vale para o esporte, mas deveria ser introjetado em nossas vidas:
"O que importa na vida não é tanto o triunfo, mas o combate; o essencial não é ter vencido, mas ter lutado bem."



Voando Alto (2016)
Direção: Dexter Fletcher
http://www.imdb.com/title/tt1083452/

  Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
-
Tecnologia do Blogger.