Header Ads

Os Boxtrolls

Desde o primeiro trabalho dos estúdios LAIKA em Noiva Cadáver, com um incrível trabalho de animação em stop motion, já se notava algo extraordinário surgindo para as telonas. Mas foi com Coraline e o Mundo Secreto que os cinéfilos se curvaram ao espantoso talento dessa trupe de animadores. O novo rebento dessa turma, Os Boxtrolls, é estranho, engraçado, ousado e cativante. Tem tudo que uma boa animação precisa ter, porém, seu visual é um pouco mais sujo e menos polido que as animações atuais, focadas exclusivamente em entreter a mulecada. O gosto é diferente, mas ainda assim muito bom.

Superior ao longa anterior do estúdio, Paranorman, o filme soa bem parecido à história de Tarzan, em que um garotinho é acolhido por um mundo diferente e após crescer tem dificuldades de se reaproximar aos seus iguais. A estrutura narrativa é bem simples, mas o destaque fica para a beleza estética dos ótimos cenários e, claro, os boxtrolls, as criaturinhas estranhas e engraçadas que alegram o filme.

Contudo, há um leve problema. A forma com que a trama é trabalhada e a estética estranha dos personagens, sobretudo o vilão Archibald Snatcher, é bem mais árida do que o normal, em se tratando de animações infantis. Por exemplo, o tal vilão cria uma personalidade feminina, como um travesti, para ludibriar a população da vila. Para inocência da mulecada isso será apenas mais uma piada, em que dirão: olha, ele é a mulher, kkkkkkk. Mas alguns pais e responsáveis podem torcer o nariz para esse gostinho mais azedo que tempera o filme. Fato é que tanto Noiva Cadáver, Coraline e Paranorman possuem esse mesmo tipo de tempero. Exploram facetas mais fora da caixinha, do que vem ocorrendo com as animações atuais. Não somos feitos apenas princesas, fadas e heróis. É preciso explorar os monstrinhos que existem dentro da gente. Pois é, alguns pais não gostam muito desse tipo de proposta.

Delicioso e instigante, Os Boxtrolls é um conto infantil que traz uma leve acidez e uma boa crítica política, algo um tanto raro nas animações. Há ainda uma linda cena após créditos, com uma piada que culmina em uma homenagem ao árduo trabalhos dos animadores. Muitas vezes é preciso pensar fora da caixa para realizar algo notável. No caso de Os Boxtrolls, o mais surpreendente está justamente dentro da caixa. Eu assistiria mais uns três ou quatros filmes desses monstrinhos adoráveis.



Os Boxtrolls (The Boxtrolls - 2014)
Direção: Graham Annable, Anthony Stacchi
http://www.imdb.com/title/tt0787474/

Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
-
Tecnologia do Blogger.