Header Ads

1,99 – Um Supermercado que Vende Palavras

Marcelo Masagão será um dos maiores diretores de cinema da história do Brasil. Infelizmente, só depois de muitos anos iremos reconhecer o excelente trabalho realizado por ele. Em 1,99 – Um Supermercado que Vende Palavras, o diretor explora a indústria do consumo, a utilização publicitária para construção de conceitos fetichistas e o vazio humano. Não há um dialogo durante os 72 minutos de duração. O filme nos impacta com planos que constroem significados avassaladores e também tristes. Obra obrigatória a todos estudantes de comunicação e a quem assistiu o brilhante primeiro longa do diretor Nós que aqui estamos e por vós esperamos. Duro é encontrar uma locadora que tenha o filme.
Segue abaixo uma crítica sensacional do longa feita pelo ícone intelectual da comunicação, Arlindo Machado. (um dia consigo escrever assim)

Vende-se Silêncio - por Arlindo Machado

1,99 é uma espécie de O Anjo Exterminador da era da globalização e do neoliberalismo. Não é mais a aristocracia decadente da Europa que se deixa enclausurar numa mansão barroca, mas uma massa indiferenciada de hiper-consumidores que se enclausura num supermercado todo branco, frio e asséptico, quedando-se ali por tempo indefinido para lotar seus carrinhos de compra não exatamente com produtos utilitários, mas com caixas vazias onde o único valor à venda são slogans digestivos reproduzindo a linguagem otimista da publicidade, frases pré-fabricadas de efeito psicológico e toda uma sub-literatura de consolo ou auto-ajuda. É um supermercado, mas parece mais uma mega-drogaria, que vende remédios virtuais para uma massa de estranhos autistas. Formas inusitadas de jogos eletrônicos e toda sorte de máquinas de simulação de “viagens” alucinógenas, movidas todas a cartão de crédito, completam o esforço de preencher o vazio desses irremediáveis solitários, prometendo a felicidade em doses homeopáticas, o prazer sem risco e a saúde programada do corpo. As paisagens do mundo exterior só penetram nesse recinto quando mediadas por máquinas de projeção e simulação. Todo contato com o exterior se dá apenas por câmera, email ou celular. Para onde quer que se vá, as câmeras de vigilância são sempre uma onipresença e tudo vêem, tudo sabem, tudo reprimem. Ao longo do período de clausura, várias micro-histórias ameaçam acontecer a partir de encontros aleatórios, mas nenhuma delas chega a desenvolver-se, esfacelando-se rapidamente na apatia preponderante do ambiente. Qualquer forma de subversão, seja sob forma de grafitagem, roubo ou assalto a mão armada, é rapidamente detectada, controlada e absorvida pelos dispositivos de segurança.

Trata-se de um filme corajoso de um diretor – Marcelo Masagão – cada vez mais inquieto e que surpreende pelas direções inesperadas que dá ao seu trabalho. Num momento em que o realismo, a fluência, a sedução audiovisual, a transparência narrativa parecem ter retornado e se imposto como a linguagem dominante no cinema, Masagão contra-ataca com um filme opaco, pós-moderno, propositalmente artificial, com intermináveis planos-seqüências que levam sempre ao mesmo lugar, como se vagassem em círculos, configurando o huis clos de uma civilização sem saída. A música repetitiva e minimalista de Wim Mertens, feita de intermináveis ritornellos à mesma seqüência de notas, reitera a circularidade sufocante do ambiente.

Não há um único diálogo no filme, apenas uma ou outra voz-off, da mesma natureza dos slogans das caixas. A fala, principal forma de comunicação da humanidade, é substituída aqui por uma afasia fundamental, que reflete o silêncio, a passividade de uma geração que se cala diante das atrocidades. Só as caixas brancas falam, com sua razão inflexível e suas verdades inquestionáveis. Numa época em que consumimos a guerra no sofá, com pizza e Coca Cola no colo, o filme é de uma cruel atualidade, apontando claramente para a condição de imobilidade a que fomos reduzidos. 1,99 (aproveite a pechincha; é uma liquidação!) é um filme sobre o individualismo regado a Prozac, a felicidade nutrida pela Nintendo, a memória gerenciada pela Microsoft e a consciência controlada pela CNN.


1,99 – Um Supermercado que Vende Palavras (2003)
Direção: Marcelo Masagão
http://www.imdb.com/title/tt0387798/

Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com 
-
Tecnologia do Blogger.