Header Ads

Norbit

A carreira de Eddie Murphy é pautada por altos e baixos. Apesar do seu limitado talento, ele é uma figura notória do cinema americano. Murphy dispõe de certo carisma junto à produtores[os donos do dinheiro], pois só assim se explica como ele conseguiu financiamento para o fraquíssimo Norbit. Este novo fiasco é uma tentativa vulgar e forçada de Murphy copiar a si mesmo. Convenhamos, não seria mais fácil e conveniente fazer o Professor Aloprado 3?

Norbit é um órfão que é humilhado desde a infância. Porém, após conhecer Rasputia, uma garota grande e forte [leia-se gorda] que o protege, ele adquire o respeito que sempre desejou dos outros. Eles crescem, mas Rasputia cresce bem mais, e se casam. A vida de Norbit é infernizada pela personalidade ditatorial da esposa. Entretanto, tudo muda quando Norbit reencontra uma grande paixão da infância.

Com uma premissa pouco inventiva, resta ao espectador rir das mesmas piadas já contadas nos filmes anteriores de Murphy. Críticas aos negros, piadas sobre peidos, caretas, caretas, mais caretas e um festival de imagens da brilhante maquiagem do corpo avantajado de Rasputia. Portanto, tudo que há no longa já foi visto em melhor escala nas duas edições de O Professor Aloprado.

Como diz um famoso adendo à lei de Murphy [trocadilho não intencional]: nada é tão ruim que não possa ficar pior. As atuações de Eddie Murphy, Thandie Newton (Kate) e Cuba Gooding Jr. (Deion Hughes) são lastimáveis. O fraco roteiro, baseado numa estória escrita por Eddie Murphy e Charles Q. Murphy, possui uma trama rasa e previsível. Nem mesmo a excelente maquiagem das personagens que Murphy interpreta se destaca, pois já não surte o mesmo impacto. Percebe-se que até o nível de esforço de Murphy é menor no longa, pois em Norbit ele interpreta três personagens, enquanto na primeira franquia de O Professor Aloprado ele interpreta sete. Depois que o espectador percebe que não irá receber nada de substancial do filme, resta-o tentar se divertir com as caras, bocas e caretas de todo elenco.

Fica nítido que este projeto é um despretensioso brinquedo-cinematográfico-caça-níquel de Murphy. Ele bem podia usar do prestígio e carisma que possui para realizar projetos mais interessantes, ou mesmo ambiciosos. Mesmo no gênero comédia há exemplares satisfatórios como o ótimo Borat - O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América. Infelizmente, a ambição e a iniciativa de tentar algo novo que sobra em Jim Carey, não se vê na carreira de Murphy. Espero que a indicação ao Oscar que Eddie Murphy recebeu por Dreamgirls – Em Busca do Sonho promova mudanças, pois não tenho mais paciência para filmes como Norbit.




Norbit (Norbit - 2007)
Direção: Brian Robbins
Elenco: Eddie Murphy, Thandie Newton, Terry Crews, Clifton Powell, Mighty Rasta, Cuba Gooding Jr.

Gilvan Marçal - gilvan@gmail.com
Tecnologia do Blogger.