Header Ads

A Pele

Não entendo porque fazer um filme imaginário sobre alguém que realmente existiu e era uma pessoa de visibilidade. Nesse caso, a retratada foi a fotógrafa Diane Arbus, famosa por suas imagens de pessoas estranhas e bizarras. O longa focaliza a fase em que Diane se descobre uma artista e sequer tinha tirado fotos antes. Centra-se em seu relacionamento com Lionel, o vizinho com uma doença que lhe faz crescer pêlos em excesso em todo o corpo, dando-lhe a aparência de Chewbacca.

O filme é especulação pura, já que um dos protagonistas é totalmente inventado e tem uma doença que atinge 19 pessoas no mundo atualmente. Façam ficção de uma vez! E coloquem outro nome na Nicole Kidman, em respeito à Diane.

Vinda de uma família rica, bem casada e com duas filhas, a protagonista é infeliz e se sente estranha, deslocada. Tem atração por figuras marginalizadas e passa a conviver com anões, prostitutas, gigantes, deficientes. Encontra nessas pessoas algo de si mesma e faz de seus retratos um espelho para suas próprias inquietações e peculiaridades. A premissa de “A Pele” é interessante em suas questões misteriosas e obscuras, mas o roteiro deixa o filme arrastado e sem ritmo.

A direção de Steven Shainberg (Secretária) se salva em alguns momentos, sobretudo aliada a uma boa montagem em momentos iniciais do filme, quando Diane se arruma. São válidas também algumas rimas visuais e o enquadramento dos personagens através de olho mágico, simbolizando aquilo que se coloca entre o observador e o observado – a lente da câmera –, ainda trazendo a idéia da distorção.

O roteiro falha mais uma vez ao não desenvolver muitos personagens de forma satisfatória. A filha de Diane, que a desaprova, perde-se na história. O mesmo acontece com os pais da fotógrafa. Alguns diálogos soam por demais insólitos, mesmo em um filme com toques de fantasia. Na primeira conversa entre Lionel e Diane, ele pergunta se ela gosta de se exibir. Assim, do nada. E ela responde que sim. Ele pergunta se ela se exibia para os empregados na adolescência. Ela responde que sim. De onde ele tira perguntas tão específicas, e ainda consegue fazê-la responder no primeiro contato? E acertar? Mesmo que ninguém seja normal em “A Pele”, o diálogo ainda soa esdrúxulo.

A pesquisa sobre a arte da fotografia e a vida de Diane Arbus me inspiraram muitos pensamentos interessantes, mas coisas que abstraí a partir do tema proposto e não que encontrei profundamente no filme, que está mais para uma versão esquisita de “A Bela e a Fera”.

*Texto publicado no site Pílula Pop (www.pilulapop.com.br) no dia 12/03/07.



A Pele (Fur: an imaginary portrait of Diane Arbus, 2006)
Direção: Steven Shainberg
Elenco: Nicole Kidman, Robert Downey Jr., Ty Burrell.

Mariana Souto - marianasouto@gmail.com
Tecnologia do Blogger.